Especial Dia das Mães: 10 Ideias para dar de Presente

Especial Dia das Mães

Daqui a duas semanas comemoramos o Dia das Mães, e essa é uma data tão especial que é a mesma no mundo inteiro.

Confesso que para mim não será muito fácil, já que pela primeira vez não estarei com a minha mãe nesse dia. Tenho evitado pensar muito nisso, se não o coração aperta demais e tudo ficará ainda mais difícil. É a parte ruim de se morar em outro país.

Para amenizar um pouco a saudade, e também para ela saber que estou sempre pensando nela, resolvi selecionar algumas ideias para o dia das mães. Hoje vou apresentar inspirações que encontrei para presentear. Na semana que vem, prometo trazer sugestões para preparar um bom almoço de dia das mães.

Então, vamos lá…

Primeiro de tudo, temos de considerar que ninguém conhece melhor a sua mãe do que você. A minha, por exemplo, teria um síncope se resolvêssemos presenteá-la com algum item para a casa, mas ela sempre fica feliz quando o presente reflete um cuidado para ela, por mais simples que seja. E, sinceramente, acho que nesse dia, por ser dedicado às mães, o melhor é que o presente seja só delas mesmo… então, vamos evitar aspiradores de pó, batedeiras, ou qualquer coisa do gênero, e tentemos pensar em algo que fará o dia delas mais feliz e só elas irão usar.

1. Perfumes e Produtos de Beleza

Perfumes e Produtos de Beleza

Acho que essa é a ideia mais clichê, mas também uma das que sempre dão certo. Invista no perfume favorito da sua mãe, ou em um estojo de maquiagem, caso ela goste. Aliás, sempre aparecem boas novidades na área de cosméticos, então vale a pena procurar algo que você sabe que ela vai usar bastante.

2. Roupas e Acessórios

Roupas e Acessórios

Preste bastante atenção na sua mãe nos próximos dias, e tente vislumbrar o que ela está realmente precisando. Mulheres sempre estão precisando de alguma coisa, seja uma blusinha nova, uma calça, uma pashmina. Você também pode aproveitar que as estações estão mudando e dar algo que ela vai usar nos próximos meses de frio, como um suéter ou blusas mais quentinhas.

3. Bolsas e Sapatos

Sapatos e Bolsas

Confesso que eu, particularmente, não faço muita questão de usar bolsas, mas mulheres no geral são loucas por esse acessório. Os modelos são quase infinitos, então se você achar que sua mãe não precisa de uma bolsa específica, pode optar por alguma que seja tendência, como clutchs ou carteiras e bags tipo sacolas.

Se por um lado, assim como eu, algumas mulheres dispensam usar bolsas em certas ocasiões, por outro, você pode ter certeza que sapatos são unanimidade. Então mesmo que sua mãe não esteja necessariamente precisando, ela não vai reclamar se ganhar um lindo sapato, principalmente se for aquele modelo que ela está namorando faz um tempo, mas não compra por achar que não precisa.

Havendo possibilidade, um jogo de bolsa + sapato será um presentão!

4. Jóias ou Bijouterias Finas

Infelizmente eu ainda não tenho condições de presentear minha mãe com jóias de verdade, mas hoje no mercado existem lojas especializadas em bijouterias finas como Morana e Rommanel, que possuem opções lindas e muito parecidas com jóias genuínas. Na verdade, são até consideradas semi-jóias.

Cordão de Assinaturas

 

Uma ideia que também acho bem legal é personalizar a jóia ou biju. Adorei essa inspiração na foto que encontrei no Pinterest, de um cordão cujos pingentes contêm as assinaturas das crianças. Pode ser um bom presente para mães com filhos pequenos, pois assim vão poder guardar as letrinhas dos filhotes para sempre. ❤

 

 

5. Cestas ou Jarras Decoradas

Dando uma passeada pelo Pinterest, encontrei ótimas inspirações para cestas e até jarras, que nunca tinha visto. É um tipo de presente “Faça você mesmo”, e que pode ser muito legal para sua mãe, já que você vai montar com coisas que sabe que ela gosta.

Cestas

Além das tradicionais cestas de café da manhã, nas quais você pode colocar os itens favoritos dela, selecionei aqui algumas ideias de cestas e jarras temáticas que sua mãe pode gostar:

  • Cesta de Spa ou Spa no Pote

Aqui você pode colocar vários itens de cuidados pessoais, desde aqueles que sua mãe já costuma usar, até coisas novas que ela vai gostar de experimentar em seu ritual de beleza.

  • Cesta de Chá ou Café

Para as mães que amam um chazinho ou café da tarde. Você pode incrementar a cesta com itens gourmet, utensílios e receitas para que possam aproveitar melhor esse momento.

  • Cesta de Chocolate

Seguindo a mesma ideia da cesta de chá ou café, você pode ir além dos vários tipos de chocolate e colocar uma série de elementos interessantes para quem aprecia um bom chocolate, como utensílios para fondue e chocolate quente, livros de receitas, e o que mais você achar que sua mãe vai gostar.

6. Algo relacionado ao Hobby favorito ou Atividade que ela mais gosta

Hobbies

Embarcando na dica de cima, aqui você pode elaborar uma cesta com base no hobby favorito da sua mãe: pintura, jardinagem, decoupagem, ou no que ela goste de fazer por prazer, como ir a praia ou correr, por exemplo. Nas fotos acima, você pode ver ótimas sugestões. Inspire-se para montar seu próprio kit, de acordo com a atividade que sua mãe mais gosta.

Caso você não queira montar uma cesta, dê algo que irá acrescentar ao hobby ou atividade que ela pratica. Pode ser um acessório para a câmera, caso ela goste de fotografia; tinturas novas, se o hobby for pintura; um tênis específico para corrida, se sua mãe for esportista; e por aí vai.

Bath

 

Uma ideia que achei muito legal, mas que acho difícil funcionar para todos no Brasil são acessórios para banheira. Aqui no Canadá, todas as casas tem banheira, então é muito comum ver itens para incrementar o banho: desde sais de banho e óleos especiais, até acessórios para melhorar o conforto e relaxamento. Se sua mãe tiver uma banheira em casa, pode ser um bom presente para estimulá-la a ter um momento regular só dela para relaxar e cuidar de si.

 

7. Canecas Personalizadas com surpresinhas dentro

canecas

Se o dinheiro estiver curto, canecas personalizadas podem ser um presente bem agradável, dependendo do que você colocar dentro. E aí você pode usar a criatividade, e preencher a caneca com o que você sabe que vai fazer sua mãe sorrir. Podem ser chocolates, flores, ou o que mais você achar interessante. Sua mãe vai saber que você não pôde comprar um grande presente, mas que se esforçou para tornar o dia dela mais feliz. Tenho certeza que irá gostar do mesmo jeito.

8. Livros

Essa ideia só vale se sua mãe for uma pessoa que gosta de ler. Eu amo ganhar livros, e minha mãe também. Acho que ganhar livros é como receber um elogio, mas não é todo mundo que gosta.

Jane Fonda.jpg

Se sua mãe estiver na faixa dos 60 anos ou perto, ela pode gostar do livro “O Melhor Momento”, da Jane Fonda, onde ela desmistifica um pouco da crise dos 60, a partir de suas próprias experiências. Já dei esse livro para minha mãe e ela diz que gostou.

Minha mãe também gosta muito dos livros do Augusto Cury, que é um ótimo autor para quem está em busca de auto-conhecimento, e seus livros não tem cara de auto-ajuda, apesar de serem encontrados nessa categoria.

Agora, se sua mãe é uma leitora assídua, a melhor dica é descobrir qual o(a) autor(a) favorito(a) dela e dar um box com os livros dele(a) que sua mãe ainda não leu.

9. Filmes Clássicos

Para quem tiver uma mãe fã da sétima arte, este será sem dúvida o melhor presente. Filmes atuais são facilmente encontrados em plataformas como Netflix, mas filmes clássicos muitas vezes são difíceis de encontrar.

Claro que se sua mãe for realmente cinéfila, ela já conta com alguma coleção de filmes clássicos em casa. Então, faça uma pesquisa sobre os filmes que marcaram a história do cinema, dê uma checada em quais ela ainda não tem e monte um box com esses.

Se ela for fã de uma atriz ou um ator clássico específicos, como Audrey Hepburn ou Clark Gable, por exemplo, ou mesmo um diretor renomado, você pode encontrar box de filmes já prontos, com embalagens especiais e tudo. Geralmente são ótimos itens para colecionadores. E não é difícil encontrar em lojas especializadas na internet.

10. Cupons de Massagem ou Spa

Essa ideia de presente eu acho meio preguiçosa, mas pode ser que sua mãe goste bastante. Em sites como Groupon ou Peixe Urbano não é difícil encontrar promoções para sessões de massagem ou mesmo para um spa day.

O problema é que ela vai acabar sabendo quanto você gastou, e não acho legal isso quando se trata de presente, mas também duvido que sua mãe se importe, já que com certeza ela vai gostar de ganhar um dia de relaxamento só para ela. De qualquer forma, de repente você consegue comprar um bom pacote diretamente no Spa, e dar um cupom sem o preço a vista para sua mãe usar quando quiser.

 

É isso aí, pessoal! Espero que essas ideias ajudem vocês a encontrarem um bom presente para as respectivas mães… Sem dúvida alguma, elas merecem!

Grande Bjo,

Mari Marques.

 

*Inspirações: Pinterest e Google Imagens.

Anúncios

O que guia suas escolhas?

O que guia as suas escolhas_

Lembra daquela pergunta sobre “o que você faz quando ninguém está olhando?” No campo da moral, é isso que determinaria o seu verdadeiro caráter, não é mesmo?!

Mas não é bem sobre esse aspecto que quero refletir aqui hoje. Minha pergunta é: você teria feito as mesmas escolhas que fez até hoje se ninguém estivesse “olhando”? E o olhar a que me refiro não é o de mero espectador, mas aquele olhar de aprovação, seja ela real ou estando apenas em nossas cabeças. E até mesmo aquele olhar que criamos para os outros, quando pensamos na forma em como queremos ser vistos.

Já faz muito tempo que venho repensando minhas escolhas no que se refere ao âmbito profissional, mais especificamente. E vir para o Canadá está me dando a oportunidade única de “começar do zero”, reformulando toda essa área da minha vida. Isso é ótimo, mas também não imaginei que seria tão difícil!

Difícil porque quando entramos em um espaço desconhecido perdemos praticamente todas as nossas referências e, por isso, podemos acabar nos sentindo bastante perdidos. Ainda mais estando em outra cultura, onde os conceitos de aceitável ou não profissionalmente são um pouco diferentes.

Incrivelmente, isso tem me feito refletir muito sobre se as escolhas que fiz até hoje foram de fato minhas, pois apesar de nunca ter sentido imposição para seguir determinado caminho, acabei escolhendo a profissão dos meus pais, e me vi gastando tempo e energia em algo que nunca me fez sentir satisfeita, muito menos plena. Talvez por conveniência ou desejo de ser reconhecida, ainda não sei bem.

Além disso, já conheci pessoas que tomaram decisões importantes para a própria vida, até mesmo além do campo profissional, ou optaram por se manterem onde estavam com base no que os outros iriam pensar sobre elas.

Isso me faz questionar sobre que referências são essas que guiam nossas escolhas, mas sequer sabemos de onde vêm, já que não são genuinamente nossas. Como já disse uma vez, “a maioria das pessoas só vai reconhecer algo como bom depois que já estiver realizado”, então buscar aceitação e reconhecimento é algo inútil em um primeiro momento. O melhor é que criemos nosso próprio referencial sobre o que seria bom ou ruim para nossa história, mas livres de julgamentos externos. Nada fácil, né?! Haja exercício de autoconhecimento para dar conta disso. Mas creio que seja a única forma para alcançarmos uma vida mais satisfatória.

Infelizmente, eu ainda não posso dar um conselho eficaz nesse aspecto, por ainda estar aprendendo a distinguir o que eu de fato quero daquilo que seria apenas uma escolha emocionalmente confortável, mas o que tenho feito ultimamente é me questionar os porquês que me movem em cada direção. E acho que seja mesmo esse o caminho.

Muitas vezes teremos de decidir pelo que é necessário naquele momento, e isso pode até parecer ir contra o nosso objetivo maior, mas aí lembro que “para conseguirmos o que queremos, temos de fazer primeiro o que devemos”. A questão é, o que guia cada uma dessas escolhas? Ter em mente o onde se quer chegar no futuro (seja pessoal ou profissionalmente) é o que nos sustenta para o que precisa ser feito no presente, apesar de qualquer crítica que possa surgir.

Quer ver um exemplo bem trivial disso? Acompanhe as “máximas” desse “raciocínio lógico”: 1. Proporcionar um ambiente confortável para mim e minha família me fará mais feliz. 2. Para ter um ambiente confortável, a casa precisa estar limpa e organizada. 3. Eu não gosto de arrumar a casa. Conclusão: Mesmo sem gostar, tenho de arrumar e organizar a casa, para que eu possa ser mais feliz.

[Acho que não construí o exercício corretamente. Os professores de lógica que me perdoem. Mas acho que deu para entender, não?! rsrs]

A partir do momento que sabemos onde queremos chegar, passamos a fazer escolhas mais acertadas e independentes. Mas não se preocupe se você ainda não sabe para onde quer ir, encontrar um objetivo por si só já é um grande desafio, escolha sair do lugar para começar a sua busca. E questione-se sempre… Cada vez mais, penso que é essa a melhor forma de discernirmos quais as razões que nos movem.

Seguirei em minha busca…

Bjs,

Mari Marques.

 

Agora sou Fly

Aprendiz de FlyLady

Quem leu os posts anteriores aqui no blog, já percebeu minha pequena peregrinação tentando pôr ordem na vida…. E um dos pontos mais críticos para mim tem sido desde sempre a administração das rotinas de casa. Tenho a nítida sensação de que quando eu der conta disso totalmente, tudo o mais irá fluir… e é bem provável que flua mesmo.

Já tentei de tudo… criar planilhas, ler livros sobre o tema, vídeos e vídeos no youtube com dicas maravilhosas… mas não sei muito bem o porquê de eu acabar sempre errando a mão. É como se eu soubesse o que precisa ser feito, mas não encontrasse uma forma eficaz de colocar em prática todo o conteúdo absorvido. Acabava sempre mantendo a ordem por uma ou duas semanas e logo depois voltava a estaca zero. 😥

A verdade é que nunca fui mesmo muito prendada… mas também não achava que seria tão difícil assim equilibrar a casa com as várias esferas da vida depois de casada… Isso me frustrava bastante… E falo no passado, porque há muito já entrei na fase da aceitação… rs

Bom… acontece que há alguns meses atrás eu ouvi falar de um tal Sistema FlyLady que prometia uma transformação na vida de qualquer mulher, fosse ela prendada ou não. Me interessei e resolvi pesquisar a respeito. A princípio, pensava que fosse um sistema de administração apenas para os cuidados da casa, mas me surpreendi ao descobrir que não… o FlyLady é muito mais do que isso… é um sistema de ajuda e organização pessoal, onde aprendemos a colocar ordem na casa de forma natural, sem que sugue tempo ou energia, a fim de que possamos nos concentrar no que realmente é importante: nós mesmas.

Achei muito legal a proposta, e após ler vários depoimentos de meninas que, como eu, se sentiam tão perdidas ou mais nas rotinas domésticas, mas conseguiram mudar após ingressar no sistema, resolvi tentar também!

Faz pouco mais de uma semana que completei meus BabySteps (os 31 primeiros passos dos sistema), com direito a certificado e tudo, e minha mente já clareou bastante com relação à minha forma de “pôr ordem na casa”.

Tudo na vida é um processo…. ninguém muda da noite para o dia…. mas o legal da FlyLady é que tudo acontece respeitando o tempo e dedicação pessoal de cada um.

Não é um milagre! Se você não obedecer os comandos (ou pelo menos tentar), não irá sair do lugar… Mas o método é eficiente, justamente por trabalhar em cima da construção de novos hábitos.

E ao perceber como pequenas atitudes diárias mudam toda a atmosfera e dinâmica da casa (e da família), isso acaba refletindo em todas as outras áreas também. Porque passamos a controlar o tempo que temos, ao invés de sermos sugadas por ele.

Ao completar meus babysteps, aprendi que 15 minutos podem bastar para fazer qualquer coisa e também que posso fazer só um pouco por dia que isso já irá surtir efeitos, afinal: “antes feito do que perfeito”, e não tem problema nenhum nisso.

Ainda estou começando nessa caminhada, mas bem otimista com os próximos passos. Sei que terei de repetir meus babysteps muitas e muitas vezes até realizá-los naturalmente, mas a sensação de paz por estar finalmente me sentindo “dona da minha própria casa” é impagável. Sério… não estou exagerando!

Com certeza, contarei mais sobre minhas experiências no sistema, que estão só começando… e deixo aqui a sugestão, para quem também estiver procurando ajuda para organizar a vida… O site deles é todo em inglês, mas existem vário grupos em português no facebook, com muita gente legal disponibilizando as traduções! Quando eu estiver mais confortável como flylady também prometo disponibilizar por aqui! Por hora… fica a dica! 😉

 

Beijos,

Mari Marques.

 

 

Estabelecendo Rotinas em outro país

clock-637853_960_720

Desde que chegamos no Canadá, temos tanto para fazer e resolver, que não houve tempo ainda para pensar em muita coisa.

No primeiro mês eu fiz um curso de inglês mais voltado para a conversação, porque meu listenning realmente é muito ruim e era essa minha necessidade imediata (ainda está ruim, mas sinto que aos poucos vai melhorando). Meu marido também chegou já fazendo curso de inglês, no mesmo lugar que eu, mas com foco maior em gramática. E, como passávamos basicamente o dia inteiro estudando por lá, o tempo que restava usamos para organizar aquela que será nossa casa pelos próximos anos (o que é bem legal de fazer, mas dá um certo trabalho) e também para resolver as questões de documentação e serviços. Então, algumas coisinhas bem importantes acabaram ficando de lado, como boa alimentação (as “porcarias” aqui são muito acessíveis e deliciosas), organização, horário definido para estudos (o que vai ser fundamental para nós dois) e até mesmo lazer, porque realmente não tivemos tempo de “turistar” nesse primeiro mês.

Agora, após um mês e alguns dias, tudo está começando a tomar a forma de como realmente será daqui para a frente. Meu marido vai estudar em horário integral (fará uma especialização na Langara, ritmo beeeemmm puxado) e eu consegui ingressar no programa de English Language Services for Adults (ELSA) da província de British Columbia, onde vou estudar inglês com aulas 3 vezes na semana.

Obviamente terei mais tempo para administrar a casa e manter nossa vida organizada… o que é novidade, já que no Brasil era ao contrário, porque meu marido era homework e tinha uma rotina bem mais flexível do que a minha. E confesso (com um pouco de vergonha) que ele se saía um “dono de casa” melhor do que eu. Taí um dos meus desafios!

Considerando que meu inglês anda meio “capenga”, três aulas por semana provavelmente não serão suficientes, então vou ter que usar muito bem meu tempo livre para me dedicar ao estudo e conseguir atingir as metas que estou estabelecendo aqui na minha cabeça (pretendo estar falando bem em 6 meses).

Para começar a tentar me organizar, vou usar a regra de listar as prioridades (para manhã, tarde e noite), mantendo uma agenda arrumada (os planejadores diários que tentei fazer ainda no Brasil não deram muito certo comigo).

Aqui, por conta da filosofia do “faça você mesmo”, parece que tudo é feito para ser mais prático, então até os itens de limpeza são fáceis e rápidos de manejar, de modo que a gente gasta pouco tempo. E já encontramos ótimas opções de alimentação saudável práticas de fazer. Minha grande questão será apenas manejar bem os horários para fazer tudo o que precisa ser feito e me sobrar tempo livre.

Não é tarefa fácil, levando em conta que minha desorganização é quase crônica, mas sinto que o Canadá tem muito a me ensinar nesse sentido. Aqui a questão de horários é levada muito a sério… em pouco tempo já dá para perceber isso. E apesar de ser meio chato se adequar a isso no começo, aprender a administrar bem os horários será de grande valor para a vida, seja aqui, no Brasil ou onde for. Isso é administração do tempo… e eles parecem fazer isso bem.

Por hora, vou tentando estabelecer minha rotina por aqui, e compartilho o que for dando certo. Deixarei o estudo para a parte da tarde. Essa manhã reservei para escrever este post e dar uma geral na casa… já estou atrasada! rs

Até breve.

Mari Marques.