Música Barroca para Concentração e Foco

baroque-church-439488_1920

Uma coisa muito interessante que aprendi enquanto estudava para concursos públicos é a relação que existe entre a música barroca para o aumento da concentração e foco na execução de alguma atividade, seja leitura, trabalho, estudo e até no momento da organização.

Confesso que quando se refere a estudo, trabalho ou mesmo leitura, a ideia de uma música tocando por si só já me tira a atenção, mas existem muitos estudos* que apontam os benefícios dessa técnica para ajudar a manter o foco, pois a música barroca possui um padrão de batidas (60 batimentos por minuto) que induz a concentração.

Até aí tudo bem, mas o que seria música barroca afinal? Com certeza você já ouviu em vários momentos, mas não ligou o nome ao estilo porque se confunde com a música clássica. Acredito que a diferença esteja no período histórico entre elas, já que a música clássica sofre mais influência do Iluminismo. Isso acaba afetando o estilo, e como leiga, acredito que uma das características mais fortes da música barroca seja a predominância do órgão nas composições, talvez um dos instrumentos mais antigos na musicalidade do Ocidente.

De acordo com a Wikipédia, esse período musical “vai desde o surgimento da ópera por Claudio Monteverdi no século XVII, até a morte de Johann Sebastian Bach, em 1750”.

Dito isso, caso alguém queira fazer uso desta técnica para melhorar o foco e a concentração, basta optar por ouvir Bach e acredito que não terá erro. Para tanto, além do Youtube e do Spotify, é possível fazer o download da obra completa de Johann Sebastian Bach (neste link aqui), disponibilizada pelo site Block Music Records em parceria com a Escola de Música da Universidade de Michigan.

São obras consideradas de domínio público, então podem ser baixadas sem medo de estar violando direitos autorais.

Grande Bjo,

Mari Marques.

 

*Estudos sobre o tema: The human knowledge system: music and brain coherence; Music and the Mind.

Anúncios

Participando de um Grupo de Apoio FlyLady

GruposFly

Olá meninas!

Quem tem me visto escrever sobre o sistema Fly ultimamente, pode estar se perguntando como funciona exatamente, já que apesar de ter exposto o tema no post Agora sou Fly, não cheguei a detalhar as etapas e a mudança que tenho sentido na vida prática.

Acontece que ainda não me sinto confortável para lançar aqui um “manual” sobre o assunto, já que vira e mexe eu “caio do barco”, tendo muito o que caminhar e aprender até transformar alguns hábitos e sedimentar os conceitos do Sistema.

Apesar disso, hoje eu quero deixar uma dica para quem estiver interessado em participar do FlyLady e, com isso, também compartilhar minha experiência até aqui.

Se tem algo que definitivamente tem me mantido firme nessa busca por uma vida mais simples e prática, começando pelas rotinas dentro de casa, com certeza são os grupos de apoio que encontrei dentro do Sistema Fly.

A partir do momento que você se cadastra no site da FlyLady vai passar a receber via e-mail desde as missões diárias até o que chamam de “planos de vôo”, que seriam as rotinas, passando a receber também os depoimentos de outras flys que já alcançaram seus objetivos, o que ajuda na parte motivacional e é bem legal.

No entanto, além de o site ser todo em inglês, eu particularmente acho a interação um pouco impessoal, o que no meu ponto de vista facilita a não adaptação. Com isso, e pesquisando mais a respeito, descobri que muitas brasileiras criaram grupos nas redes sociais, como facebook e whats app, para interagir com outras pessoas que também estão tentando embarcar nessa. E como isso ajuda.

A título de depoimento pessoal, devo dizer que a melhor parte de ter descoberto sobre a FlyLady foi justamente a oportunidade de trocar experiências com pessoas reais que vivem no mesmo dilema das tentativas e erros que eu. Saber que você não está sozinha, e que outras pessoas também passam ou passaram pelos mesmos conflitos internos, é realmente o ponto alto para se manter firme, mesmo quando parece que não está dando certo. Além de perceber que cada um se adapta de uma forma, então nada tem que ser feito “a ferro e fogo”, de modo que se não estiver dando certo da forma estritamente indicada, tudo bem adequar ao seu jeito… há grandes chances de que seja até melhor.

Trocando informações, você começa a perceber que cada um tem um ritmo, e os resultados irão aparecer em seu próprio tempo, então é bobagem se sentir  pressionada a realizar tarefas que vão além das suas possibilidades naquele momento. Isso não apenas dentro de casa, mas na vida. Assim como você existem aquelas meninas que também demoram a entrar no ritmo por inúmeros motivos, mas ao reconhecer os resultados delas, também é possível notar sua própria evolução. O importante é não desistir! 🙂

Confesso que estou um pouco ansiosa para chegar aqui e mostrar resultados práticos, falando sobre como consegui supera hábitos antigos para alcançar os resultados que eu queria, mas tenho aprendido a valorizar as pequenas conquistas diárias, mesmo que só eu note algumas delas…. Este é um exercício que faz bem e que tenho aprendido nos grupos que encontrei nesse universo incrível.

Enfim…. como falei lá em cima, espero em breve poder dar “dicas” mais eficazes de como fazer dar certo as organizações pessoais, mas por hora, acho que o que melhor posso indicar para quem também caiu de paraquedas na vida de dona de casa e não sabe por onde começar é procurar um grupo onde você se sinta bem de participar!

E enquanto não encontra, pode compartilhar suas experiências aqui mesmo, vai ser muito legal essa troca! 🙂

Beijos,

Mari Marques.

 

Estabelecendo Rotinas em outro país

clock-637853_960_720

Desde que chegamos no Canadá, temos tanto para fazer e resolver, que não houve tempo ainda para pensar em muita coisa.

No primeiro mês eu fiz um curso de inglês mais voltado para a conversação, porque meu listenning realmente é muito ruim e era essa minha necessidade imediata (ainda está ruim, mas sinto que aos poucos vai melhorando). Meu marido também chegou já fazendo curso de inglês, no mesmo lugar que eu, mas com foco maior em gramática. E, como passávamos basicamente o dia inteiro estudando por lá, o tempo que restava usamos para organizar aquela que será nossa casa pelos próximos anos (o que é bem legal de fazer, mas dá um certo trabalho) e também para resolver as questões de documentação e serviços. Então, algumas coisinhas bem importantes acabaram ficando de lado, como boa alimentação (as “porcarias” aqui são muito acessíveis e deliciosas), organização, horário definido para estudos (o que vai ser fundamental para nós dois) e até mesmo lazer, porque realmente não tivemos tempo de “turistar” nesse primeiro mês.

Agora, após um mês e alguns dias, tudo está começando a tomar a forma de como realmente será daqui para a frente. Meu marido vai estudar em horário integral (fará uma especialização na Langara, ritmo beeeemmm puxado) e eu consegui ingressar no programa de English Language Services for Adults (ELSA) da província de British Columbia, onde vou estudar inglês com aulas 3 vezes na semana.

Obviamente terei mais tempo para administrar a casa e manter nossa vida organizada… o que é novidade, já que no Brasil era ao contrário, porque meu marido era homework e tinha uma rotina bem mais flexível do que a minha. E confesso (com um pouco de vergonha) que ele se saía um “dono de casa” melhor do que eu. Taí um dos meus desafios!

Considerando que meu inglês anda meio “capenga”, três aulas por semana provavelmente não serão suficientes, então vou ter que usar muito bem meu tempo livre para me dedicar ao estudo e conseguir atingir as metas que estou estabelecendo aqui na minha cabeça (pretendo estar falando bem em 6 meses).

Para começar a tentar me organizar, vou usar a regra de listar as prioridades (para manhã, tarde e noite), mantendo uma agenda arrumada (os planejadores diários que tentei fazer ainda no Brasil não deram muito certo comigo).

Aqui, por conta da filosofia do “faça você mesmo”, parece que tudo é feito para ser mais prático, então até os itens de limpeza são fáceis e rápidos de manejar, de modo que a gente gasta pouco tempo. E já encontramos ótimas opções de alimentação saudável práticas de fazer. Minha grande questão será apenas manejar bem os horários para fazer tudo o que precisa ser feito e me sobrar tempo livre.

Não é tarefa fácil, levando em conta que minha desorganização é quase crônica, mas sinto que o Canadá tem muito a me ensinar nesse sentido. Aqui a questão de horários é levada muito a sério… em pouco tempo já dá para perceber isso. E apesar de ser meio chato se adequar a isso no começo, aprender a administrar bem os horários será de grande valor para a vida, seja aqui, no Brasil ou onde for. Isso é administração do tempo… e eles parecem fazer isso bem.

Por hora, vou tentando estabelecer minha rotina por aqui, e compartilho o que for dando certo. Deixarei o estudo para a parte da tarde. Essa manhã reservei para escrever este post e dar uma geral na casa… já estou atrasada! rs

Até breve.

Mari Marques.

 

Organizando os Saquinhos de Lixo

Organizando os saquinhos de lixo

Uma coisa que me incomoda bastante na área de serviço (até porque, na minha casa não tem uma divisão muito clara com a cozinha), é a forma como os “saquinhos de lixo” ficam expostos.

Nós já tivemos um daqueles “puxa sacos”, mas acabou rasgando por não comportar todos os “saquinhos”, e acabamos colocando eles dentro de um saco maior que ficava pendurado na parede da área, o que é bem feio.

Então, já que isso estava me incomodando, resolvi procurar formas de deixá-los mais em ordem, e encontrei um tutorial (no site wikihow) que ensina a dobrá-los de forma que é possível colocá-los em uma caixa, uma cesta ou em qualquer outro lugar onde se queira guardá-los.

Resolvi colocar em uma caixa que tinha guardada (temos mania de guardar caixa… rs), e o resultado está na foto aí de cima, com o antes e depois.

Gostei… é prático, funcional, e depois que se pega o jeito, bem fácil de dobrar. Decidi que vou mantê-los assim. E, na tarefa de organizar esses “saquinhos” percebi que guardava vários que estavam rasgados e não serviriam para armazenar o lixo.

Deixo aqui o link do tutorial encontrado no site wikiHow: Como Dobrar uma Sacola Plástica

Espero que ajude!

Mari Marques.