[Tag] Dona de Casa

Dona de Casa

Olá pessoas!

Como comecei a semana falando sobre as dificuldades e desafios de administrar a relação Casa x Trabalho, hoje resolvi trazer a “Tag: Dona de Casa” para responder com vocês.

Apesar de trabalhar fora, também me considero dona de casa, ou pelo menos venho tentando me tornar uma, e respeito muito as mulheres que optam por se dedicar apenas a este universo, que ao contrário do que alguns pensam, não é nada fácil.

Seguem as perguntas:

1. Que horas você vai dormir todos os dias?

🙂 – Por mais que eu tente, nunca consigo ir dormir cedo. É sempre depois da meia noite.

2. Que horas você levanta?

🙂 – Depende. Se eu não tiver nenhum compromisso, durmo até um pouco mais tarde. Aliás, somos notívagos aqui em casa, então se não tivermos nada para fazer no dia seguinte, meio que trocamos a manhã pela noite com muita facilidade. Infelizmente, esses dias são cada vez mais raros. rsrs

3. Você toma café sozinha ou com a família?

🙂 – Sempre tomei café com a minha mãe, mas desde que casei, tomo sozinha mesmo, porque marido geralmente prefere pular o café da manhã. Sinto saudade dessa parte.

4. Que eletrodoméstico você não vive sem? a) Microondas; b) Máquina de lavar louça; c) Máquina de lavar roupa e secar

🙂 – Máquina de lavar roupa, com certeza. Deus me livre ter que lavar roupa na mão. rs

5. Você prefere lavar, passar, ou cozinhar?

🙂 – Definitivamente, cozinhar. Aliás, odeio passar roupa, e uma das vantagens aqui do Canadá, é que nós colocamos uns lencinhos na máquina de secar roupa e elas já saem praticamente passadas, é só pendurar. Apenas roupas sociais é que precisamos passar de vez em quando.

6. Você cuida da casa sozinha ou a família ajuda?

🙂 – Marido ajuda.

7. O que você faz quando a casa está um caos? a) Respira fundo e arruma tudo sozinha; b) Coloca toda a família para arrumar também

🙂 – Faço o que der para amenizar, e vou arrumando aos poucos, mas tenho aprendido a não me cobrar e com certeza, se precisar, peço ajuda. Como diz o lema da FlyLady: “antes feito, do que perfeito”.

8. O que você faz quando a família reclama da comida?

🙂 – Fico chateada.

9. Qual o item de casa você adora comprar sem dó de gastar? a) Cama; b) Mesa; c) Banho

🙂 – Eu sempre tenho dó de gastar. rsrs
Porém, quando dá, eu me divirto comprando coisinhas para a casa. Não sei qual eu prefiro, acho que fico entre cama e mesa.

10. Você é radical com? a) Organização da casa; b) Limpeza da casa; c) Os dois

🙂 – Nenhuma das alternativas. Sou nada radical. Gosto de tudo limpinho, por questões de higiene, mas também não fico caçando coisas para limpar.

11. Qual o produto de limpeza você não vive sem?

🙂 – Aqui no Canadá se usa muito uns lencinhos umedecidos de limpeza que já vêm com desinfetante. É tão prático que eu escolho esse item.

12. Você arruma a cama de toda a família?

🙂 – Por enquanto a família somos apenas eu e meu marido, e a gente reveza. As vezes eu faço a cama, as vezes é ele quem faz.

13. Quando você se sente cansada para cozinhar, prefere pedir comida ou sair para comer fora?

🙂 – Depende do humor.

14. Você se considera vaidosa com a casa?

🙂 – Gosto de receber elogios quando tento deixar as coisas arrumadinhas, mas não me considero uma exímia dona de casa para chegar a me sentir vaidosa.

15. Você prefere morar em casa ou apartamento?

🙂 – No momento atual, prefiro apartamento.

16. Você já causou algum acidente doméstico?

🙂 – Já. Logo que me casei, coloquei fogo em um forninho elétrico, porque esqueci que tinha começado a preparar torradas. Foi tenso.

17. Você sente vergonha de ser dona de casa?

🙂 – Sempre sonhei em ter a minha casinha para cuidar, então de maneira alguma sentiria vergonha disso…. pelo contrário. O que as vezes me deixa envergonhada é o fato de eu não ser a dona de casa que eu imaginei que seria. Confesso que é muito mais difícil do que eu esperava.

18. Você gosta de cozinhar para amigos ou familiares? 

🙂 – Gosto muito. No dia a dia eu acabo cozinhando sempre o básico, para não fugir muito da alimentação que estamos acostumados, então quando convidamos alguém, eu gosto de experimentar alguma receita.

19. Você já deixou de sair pra algum lugar porque tinha que terminar alguma tarefa doméstica?

🙂 – Jamais.

20. Se você tem um animal de estimação ele vive dentro de casa como um membro da família?

🙂 – Ainda não temos um animal de estimação, mas está nos nossos planos de médio prazo. Vai ser um cachorrinho e com certeza ele ficará dentro de casa como um membro da família.

 

É isso! Mais uma Tag respondida! Acho esse formato muito interessante, e gostaria de tentar responder uma por mês, mas nem sempre encontro Tags que tenham a ver com os temas que trago no Virando Dona. Se alguém aí tiver sugestões, sinta-se à vontade para colocar nos comentários. 🙂

 

Grande Bjo,

Mari Marques.

Anúncios

Casa e trabalho. Será que toda mulher dá conta?

Casa X Trabalho

Dias atrás, eu estava navegando em uma dessas plataformas de perguntas públicas e um dos questionamentos que mais me chamou a atenção foi o de uma mulher, que não se identificou, em tom quase que de desespero, querendo saber se toda mulher consegue conciliar bem os afazeres da casa com o trabalho ou se o problema era só com ela.

Já me identifiquei de cara, e cliquei na pergunta para ver os comentários. É meninas…. se serve de consolo, parece que não é fácil para ninguém. rs

Fazem algumas semanas que comecei a arriscar trabalhar aqui no Canadá, com a carga horária beeeemmmm mais leve do que a que eu tinha no Brasil, mas mesmo assim foi o suficiente para fazer meu Projeto FlyLady entrar em um tremendo stand by.

E por mais que as coisas já estejam começando a se adaptar, confesso, não sem um pouco de vergonha e uma bela pitada de frustração, que se não fosse o marido ajudando, a casa já estaria inabitável a essa altura. :/

É claro que na realidade dos tempos de hoje, acho impensável uma dinâmica doméstica onde só uma das partes participe ativamente. Dividir tarefas não é apenas necessário, mas saudável para o relacionamento.

Acontece que, por melhor que seja a ajuda recebida, tem coisas que eu gostaria muito de dar conta sozinha, sabe. Um tipo de orgulho feminino, que eu ainda não sei bem se é natural à todas as mulheres ou se é só comigo. rs

Marido ajuda, e muito, mas tem umas preocupaçõezinhas com a casa que são apenas nossas, como a composição dos quadros, a disposição das coisas na estante, o centro de mesa que está faltando, os organizadores que eu comprei e nunca usei, mas queria muito dar uso para eles, etc., etc. E quando você não se ocupa desses pequenos detalhes, eles vão ficando ali, de lado, por tempos a fim. Homem nenhum vai se importar com isso, acredito que nem reparem. É o tipo de cuidado com a casa que é feminino mesmo, e faz qualquer ambiente se transformar em um lar.

Não que eu fique pensando nisso a ponto de perder o sono, mas me chateia um pouco não “dar conta” dessas pequenas coisas quando reparo nelas.

Acho que este é o tipo de frustração inevitável para a mulher moderna. Podemos até conquistar o mundo, mas ainda queremos ser rainhas das nossas próprias casas, e deixar tudo do nosso jeito. Claro que existem exceções, e por mais que seja uma ideia libertadora não se importar com isso, definitivamente não é o meu caso. E penso que também não seja o da maioria das mulheres, que acabam exercendo funções duplas ou triplas, ao terem de equilibrar, muitas vezes sozinhas, essa dinâmica Casa X Trabalho.

Bom… se você leu este texto até aqui, é porque se identifica com o tema. Então digo para você o mesmo que repito constantemente para mim: “Não se cobre!”, “Faça o que der para fazer, no tempo que você tem.”, “Nada precisa ser perfeito.” E, definitivamente, “não perca a sua paz só porque preferiu relaxar ao invés de lavar a pia ou pôr ordem no armário”.

Porém, ao mesmo tempo, se algo está realmente incomodando, crie metas curtas para resolver isso. Metas que se encaixem no tempo que você tem disponível, sem ter de abdicar do seu descanso e tempo com a família. Além disso, concentre-se em um problema doméstico de cada vez, porque não tem como resolver tudo em uma semana…. e tentar isso só vai aumentar a frustração.

Para mim, o que vou pegar como meta para solucionar nesta semana é a composição dos meus quadrinhos da sala. Tenho as molduras desde o final do ano passado, e até hoje não estão organizados como eu gostaria, porque fico procrastinando (muitas vezes, apenas por preguiça mesmo). E já digo que tudo bem não ter quadros na sala, o meu problema com isso é que sempre quando olho para eles fico um pouco frustrada por ter me comprometido a fazer e simplesmente deixado para lá.

Na próxima semana mostro o resultado! Se quiser, compartilhe aqui qual a sua meta para resolver esta semana dentro de casa, e depois diga se conseguiu. Ninguém disse que seria fácil, mas se o desafio está diante de nós, é porque podemos dar conta dele. Lembre-se disso!

Grande Bjo,

Mari Marques.

Participando de um Grupo de Apoio FlyLady

GruposFly

Olá meninas!

Quem tem me visto escrever sobre o sistema Fly ultimamente, pode estar se perguntando como funciona exatamente, já que apesar de ter exposto o tema no post Agora sou Fly, não cheguei a detalhar as etapas e a mudança que tenho sentido na vida prática.

Acontece que ainda não me sinto confortável para lançar aqui um “manual” sobre o assunto, já que vira e mexe eu “caio do barco”, tendo muito o que caminhar e aprender até transformar alguns hábitos e sedimentar os conceitos do Sistema.

Apesar disso, hoje eu quero deixar uma dica para quem estiver interessado em participar do FlyLady e, com isso, também compartilhar minha experiência até aqui.

Se tem algo que definitivamente tem me mantido firme nessa busca por uma vida mais simples e prática, começando pelas rotinas dentro de casa, com certeza são os grupos de apoio que encontrei dentro do Sistema Fly.

A partir do momento que você se cadastra no site da FlyLady vai passar a receber via e-mail desde as missões diárias até o que chamam de “planos de vôo”, que seriam as rotinas, passando a receber também os depoimentos de outras flys que já alcançaram seus objetivos, o que ajuda na parte motivacional e é bem legal.

No entanto, além de o site ser todo em inglês, eu particularmente acho a interação um pouco impessoal, o que no meu ponto de vista facilita a não adaptação. Com isso, e pesquisando mais a respeito, descobri que muitas brasileiras criaram grupos nas redes sociais, como facebook e whats app, para interagir com outras pessoas que também estão tentando embarcar nessa. E como isso ajuda.

A título de depoimento pessoal, devo dizer que a melhor parte de ter descoberto sobre a FlyLady foi justamente a oportunidade de trocar experiências com pessoas reais que vivem no mesmo dilema das tentativas e erros que eu. Saber que você não está sozinha, e que outras pessoas também passam ou passaram pelos mesmos conflitos internos, é realmente o ponto alto para se manter firme, mesmo quando parece que não está dando certo. Além de perceber que cada um se adapta de uma forma, então nada tem que ser feito “a ferro e fogo”, de modo que se não estiver dando certo da forma estritamente indicada, tudo bem adequar ao seu jeito… há grandes chances de que seja até melhor.

Trocando informações, você começa a perceber que cada um tem um ritmo, e os resultados irão aparecer em seu próprio tempo, então é bobagem se sentir  pressionada a realizar tarefas que vão além das suas possibilidades naquele momento. Isso não apenas dentro de casa, mas na vida. Assim como você existem aquelas meninas que também demoram a entrar no ritmo por inúmeros motivos, mas ao reconhecer os resultados delas, também é possível notar sua própria evolução. O importante é não desistir! 🙂

Confesso que estou um pouco ansiosa para chegar aqui e mostrar resultados práticos, falando sobre como consegui supera hábitos antigos para alcançar os resultados que eu queria, mas tenho aprendido a valorizar as pequenas conquistas diárias, mesmo que só eu note algumas delas…. Este é um exercício que faz bem e que tenho aprendido nos grupos que encontrei nesse universo incrível.

Enfim…. como falei lá em cima, espero em breve poder dar “dicas” mais eficazes de como fazer dar certo as organizações pessoais, mas por hora, acho que o que melhor posso indicar para quem também caiu de paraquedas na vida de dona de casa e não sabe por onde começar é procurar um grupo onde você se sinta bem de participar!

E enquanto não encontra, pode compartilhar suas experiências aqui mesmo, vai ser muito legal essa troca! 🙂

Beijos,

Mari Marques.

 

Arrumando a Casa para Ajeitar a Vida

Aprendiz de FlyLady

Vou ser bem sincera com vocês…. arrumar a casa definitivamente não é nem de longe minha atividade favorita! Gosto muito dos resultados, de ver a casa arrumadinha e confortável, com aquele cheirinho gostoso. Mas a verdade é que a rotina de dona de casa me dá um sensação de tempo perdido que eu não consigo explicar.

Aqui no Canadá não existe nem a possibilidade de encontrar ajuda para esse problema, e confesso que também nunca fui adepta de terceirizar serviços domésticos, penso que cada um deve ser responsável pela própria bagunça, mas o povo aqui leva isso bem a sério mesmo.

Por mais de uma vez, já cheguei até a me pegar pensando: “Qual a necessidade de arrumar a casa se ela faz questão de se desarrumar sozinha?” (risos) E sempre chego a conclusão de que é porque se não for assim, a vida não anda.

E não anda mesmo. Você pode até pensar que é bobagem, mas a verdade é que nossa vida inteira vai passar primeiro pela nossa casa, e se não conseguimos colocar ordem nem no ambiente que é só nosso, difícil acreditar que os outros aspectos da vida irão andar organizadamente.

Ainda estou longe de ter soluções para isso, apesar de estar bem empolgada com o Sistema FlyLay. Acontece que, no que se refere a ser dona de casa, ainda tenho de matar uns leões gigantes por dia, e as vezes eu é que quase sou morta por eles. Mas reflito, e reflito bastante para tentar encontrar as soluções para os meus porquês nesse sentido.

Aliás, tenho muitos desses porquês, pois como já falei em outros textos, nunca achei que seria tão difícil. Pelo contrário, se alguém me perguntasse há alguns anos atrás, eu diria com certeza que seria ótima nisso, mas a vida prática é sempre “outros 500” da história. E acho impressionante como sempre tendemos a subestimar a complexidade dos serviços domésticos.

Talvez hoje haja inclusive uma resistência para entender a importância de uma mulher nos tempos modernos ter a necessidade de dar conta de algo tão antigo como os cuidados da casa. Para mim, a grande questão que tem feito eu tomar isso como um desafio pessoal, é que conseguir dominar a sua casa é como assumir as rédeas de toda sua vida.

Quer ver um exemplo?! Já perdi as contas das vezes que acabei fazendo um lanche mega calórico, me sentindo super arrependida depois, simplesmente porque não programei bem o almoço ou a ida ao supermercado. Tudo bem isso acontecer de vez em quando, mas se você percebe algo assim toda semana, já começa a virar um problema. Então você perde o controle da sua alimentação equilibrada, simplesmente porque não está “arrumando a casa como deveria”.

Para algumas pessoas isso pode até fluir naturalmente, e esse texto aqui nem fará muito sentido, mas para quem sempre teve dificuldade com técnicas de organização, os cuidados com a casa só evidenciam essa tendência ao “caos criativo”, como prefiro chamar. E o exercício de tentar melhorar nesse aspecto, acaba impactando positivamente as outras áreas da vida, como trabalho, hobbies, relacionamento, etc.

Como falei mais lá em cima, ainda não estou muito apta para poder aconselhar alguém com isso. O que desejo aqui é apenas compartilhar os efeitos da minha experiência nessa caminhada. E dizer que por mais que seja difícil e você fique tentada a pensar que é uma grande bobagem, não desista! Mesmo com passos de formiguinha, você consegue ver impactos muito positivos quando as coisas começam a ficar mais em ordem, mesmo que só você veja essa ordem no início.

Sem sombra de dúvidas, quanto mais domínio você tem daquilo que é seu, sua própria casa, seu cantinho, as outras coisas vão mudando automaticamente, como que por reflexo, e você passa a sentir esse efeito até na personalidade, tornando-se mais confiante (principalmente por passar a saber onde suas coisas estão) e disposta (trabalhos concluídos, mesmo que pequenos, dão muita disposição para continuar seguindo).

É isso… se você é super prendada e já nasceu dando conta do recado, parabéns! Mas se você é mais como eu e as vezes se enrola, até cansando de tanto tentar, fique tranquila! Também não se exija tanto, porque você não está sozinha e pode ter certeza de que para tudo se tem um jeito! Seguirei compartilhando meus progressos e percepções nesse sentido! Enquanto isso, deixe nos comentários suas experiências! 😉

Grande Bjo,

Mari Marques.