Música Barroca para Concentração e Foco

baroque-church-439488_1920

Uma coisa muito interessante que aprendi enquanto estudava para concursos públicos é a relação que existe entre a música barroca para o aumento da concentração e foco na execução de alguma atividade, seja leitura, trabalho, estudo e até no momento da organização.

Confesso que quando se refere a estudo, trabalho ou mesmo leitura, a ideia de uma música tocando por si só já me tira a atenção, mas existem muitos estudos* que apontam os benefícios dessa técnica para ajudar a manter o foco, pois a música barroca possui um padrão de batidas (60 batimentos por minuto) que induz a concentração.

Até aí tudo bem, mas o que seria música barroca afinal? Com certeza você já ouviu em vários momentos, mas não ligou o nome ao estilo porque se confunde com a música clássica. Acredito que a diferença esteja no período histórico entre elas, já que a música clássica sofre mais influência do Iluminismo. Isso acaba afetando o estilo, e como leiga, acredito que uma das características mais fortes da música barroca seja a predominância do órgão nas composições, talvez um dos instrumentos mais antigos na musicalidade do Ocidente.

De acordo com a Wikipédia, esse período musical “vai desde o surgimento da ópera por Claudio Monteverdi no século XVII, até a morte de Johann Sebastian Bach, em 1750”.

Dito isso, caso alguém queira fazer uso desta técnica para melhorar o foco e a concentração, basta optar por ouvir Bach e acredito que não terá erro. Para tanto, além do Youtube e do Spotify, é possível fazer o download da obra completa de Johann Sebastian Bach (neste link aqui), disponibilizada pelo site Block Music Records em parceria com a Escola de Música da Universidade de Michigan.

São obras consideradas de domínio público, então podem ser baixadas sem medo de estar violando direitos autorais.

Grande Bjo,

Mari Marques.

 

*Estudos sobre o tema: The human knowledge system: music and brain coherence; Music and the Mind.

Anúncios

O que fazer antes de dormir para tornar seu dia seguinte melhor?

antes de dormir

Hoje quero compartilhar um artigo que estava lendo e achei interessante, por tratar de um tema do qual eu gosto muito, que são pequenas mudanças possíveis para melhorarmos nosso cotidiano e qualidade de vida.

O artigo intitulado “8 coisas para fazer antes de dormir e ter um melhor dia amanhã” (“8 things to do before bed to have a better day tomorrow”), encontrado no site Business Insider, lista oito hábitos que podemos desenvolver antes de dormir para que nosso dia seguinte seja mais produtivo.

Como eu tenho um sério problema para acordar (dificilmente acordo de bom humor e definitivamente não sou uma pessoa matinal), me interesso bastante por ver essas dicas que podem ajudar a tornar todo esse processo menos dramático. Em razão dessa minha característica, acho que rotinas matinais são sempre muito complexas de executar, então talvez esta aqui dê mais certo para fazer o dia seguinte valer a pena… rs

 

1. Dê uma volta ao luar.

O sempre ocupado CEO da Buffer, Joel Gascoigne, adotou uma rotina de caminhadas noturnas para desestressar. Ele desliga seus pensamentos sobre o trabalho e e lentamente, mas claramente se coloca em um estado de cansaço.

Se você é uma dessas pessoas ocupadas que estão sempre fazendo alguma coisa, você pode se beneficiar de uma caminhada noturna como essa. Então, deixe o seu celular em casa e foque em pensamentos relaxantes para um dia mais produtivo amanhã.

 

2. Desligue. Literalmente.

Apesar do seu status como uma nova gigante da mídia, Ariana Huffington é uma grande defensora do desligar-se. E não é difícil de entender o porquê.

Em certa ocasião, após desmaiar de exaustão, ela conseguiu cinco pontos em sua cabeça. Como muitos que já tiveram uma visita inesperada à sala de emergências, Ariana se viu reavaliando a própria vida. Ela acabou banindo os eletrônicos dentro do quarto, e tem conseguido se afastar das ambulâncias desde então.

Você também pode eliminar o estresse causado pela sua caixa de e-mail fazendo o mesmo. Desligue tudo, além do despertador, e veja a tensão diminuir.

Desligar-se é também a chave para uma boa noite de sono. Pesquisadores de Harvard descobriram que a luz brilhante do smartphone faz nosso corpo pensar que é dia. Eliminar os eletrônicos, por outro lado, faz exatamente o oposto.

 

3. Construa uma rotina de higiene do sono.

A higiene do sono é mais do que apenas arrumar sua cama.

A Fundação Nacional do Sono dos EUA apresentou uma extensa rotina de higiene do sono para assegurar um adormecer profundo. A lista conta como essenciais: uma cama confortável, um quarto relativamente frio, e – mais importante – ter pelo menos uma hora para relaxar antes de realmente pegar no sono.

Não importa o quão cheia esteja a sua agenda, priorize a si mesmo e evite o esgotamento, assegurando-se que terá tempo suficiente para descontrair à noite.

Claro, que também não dói investir em alguns bons travesseiros.

 

4. Leia.

Além do benefício óbvio de ganhar um novo conhecimento, ler é também uma ótima forma para relaxar. Um estudo encontrou que ler por apenas seis minutos reduz o estresse em 68%.

 

5. Priorize.

“O dia do presidente realmente começa no dia anterior”.

Estas frase veio de Michael Lewis, responsável pelo Vanity Fair profile do ex-presidente americano Barack Obama. O presidente passa o início da noite revisando os compromissos e dossiês para o dia seguinte, assim pode evitar arruinar a manhã, estabelecendo objetivos claros e prioridades para o decorrer do dia.

Você irá reduzir sua ansiedade e descansará mais fácil sabendo que já tem seu passos esquematizados.

 

6. Pare antes de terminar.

Os melhores escritores não buscam pelo final perfeito de um capítulo antes de dizerem “boa noite”. Eles aumentam a produtividade ao terminarem bem no meio de um pensamento ou sentença.

“O melhor caminho é sempre parar quando você está indo bem e quando você sabe o que irá acontecer depois”, disse Ernest Hemingway uma vez. “Se você fizer isso todos os dias… você nunca ficará empacado”.

Se você estiver fazendo algo criativo, este é o caminho perfeito para configurar um padrão de sucesso. Termine no meio de uma “nota alta” e você nunca terá de lutar por novas ideias.

 

7. Aprenda alguma coisa nova.

Pode até não parecer assim, mas um dos melhores momentos para aprender é após um longo e exaustivo dia.

Josh Waitzkin, autor de “A arte de Aprender“, recomenda o final de um dia cansativo para aprender conceitos novos e complicados. Isto porque o nosso subconsciente processará esta informação “fresca” enquanto estiver adormecido.

Todos os gênios, desde Salvador Dali até Albert Einstein, costumavam tirar um cochilo para fomentar novos insights e aprendizados. Mas mesmo que você não esteja redefinindo a física, aprenda algo novo enquanto vai relaxando.

 

8. Anote seus estresses.

Na hora de deitar, nossas mentes são frequentemente sugadas para uma “caraminhola” de problemas não resolvidos. Se existe algo que pode transformar seu sono em uma bagunça ainda pior, não sei o que é. Para isso, uma boa dica é anotar todas as suas preocupações em um pedaço de papel antes de ir para a cama.

E este pequeno conselho tem o apoio da ciência. Anotar nossos problemas reduz os “loops” de maus pensamentos e leva junto a ansiedade.

 

É isso, gente… Espero que essa lista seja útil. Eu, particularmente, achei as dicas bem fáceis de serem colocadas em prática. Pretendo muito adotá-las, principalmente a parte do “desligue-se”. E vocês? O que acharam?

Grande Bjo,

Mari Marques.

 

*Fonte: “8 things to do before bed to have a better day tomorrow”, by Elle Kaplan (Thrive Global) on Business Insider.

*Tradução: livre.

Academia no Canadá. Malhando sem treinador.

weights-2617746_1920

Posso não ser muito ativa nas redes sociais, mas quem também segue o blog pelo Instagram ou Facebook, deve ter visto que há algum tempo comentei sobre meu processo de reeducação por uma vida mais saudável. Então, já que hoje é segunda feira, o dia internacional das mudanças de hábito, resolvi “bater um papo” aqui sobre academia, para ver se vocês também se animam a embarcar nessa.

Comecei com a alimentação, tentando fazer escolhas melhores, apesar de ainda não ser tão fácil conter as escorregadas (mas tento lidar com isso sem culpa). E, com o tempo, fui sentindo a necessidade de também praticar alguma atividade física. Inicialmente tentei fazer exercícios em casa mesmo através do app MadBarz, que estava gostando muito de usar, por dar ênfase a exercícios calistênicos de street workout. Mesmo assim, era muito difícil me manter motivada sem ter de sair de casa, então acabei me matriculando em uma academia. Já adianto que foi uma das minhas decisões mais acertadas, já que o exercício tem me ajudado até a controlar meus dias de ansiedade.

Acontece que aqui no Canadá não é obrigatório que haja um profissional de educação física supervisionando as pessoas na academia. Onde eu malho, até tem alguém disponível para tirarmos dúvidas pontuais, sobre um equipamento ou outro, por exemplo, mas essa pessoa não vai mostrar a execução do exercício, dizer quando alguma atividade está sendo feita de forma errada e muito menos montar uma série para você, como ocorre quando começamos em uma gym no Brasil. Para quem deseja esse tipo de assistência, é necessário contratar um personal trainer, que é bem carinho por aqui… Luxo que meu status de imigrante ainda não permite (e também quase nunca vejo alguém utilizando esse serviço… acredito que as pessoas os contratem apenas quando não têm nenhuma noção de por onde começar ou quando já estão se exercitando há bastante tempo e possuem objetivos mais específicos, que só um profissional pode mesmo direcionar).

Enfim… minha sorte é que como meu marido praticou esporte durante toda sua vida, ele acabou acumulando algum conhecimento, e me ajudou muito nesse início, adaptando minha série (que trouxe do Brasil), vendo se eu estava executando corretamente os exercícios, etc. Mas eu ainda sentia falta de algum respaldo e, por isso comecei a procurar aplicativos específicos para academia.

A princípio eu usava os aplicativos GymOn e FitNotes em conjunto, mas apesar de eles se complementarem, eu ainda continuava procurando por um app que se bastasse nas funções e tivesse uma gama de exercícios maiores, como o que eu mencionei mais acima, que utilizava para exercícios em casa. Acabei encontrando o BodySpace e parei nele, sendo o que estou usando agora.

O aplicativo conta com uma plataforma online que você pode acessar também pelo computador, onde é possível encontrar séries de exercícios elaboradas para diferentes objetivos ou montar sua própria série, acompanhar a evolução dos treinos, interagir com outros usuários e várias outras funções que ainda estou descobrindo. Sem contar que os exercícios são acompanhados de vídeos mostrando a forma correta de execução, o que dá alguma segurança, principalmente se você tiver alguém para olhar por você.

No início achei um pouco confuso de usar, mas depois que peguei o jeito, se tornou um dos meus aplicativos favoritos. Até porque, semanalmente você recebe um e-mail de incentivo do aplicativo, mostrando sua evolução naquela semana. Além disso, quando você acessa pelo site, pode encontrar vários artigos muito úteis tanto para quem está começando como para quem já malha há mais tempo.

O que pode ser considerado uma desvantagem é que o aplicativo é todo em inglês, porém não acho que isso impeça de aproveitar as vantagens do aplicativo, mesmo sem o domínio do idioma.

E você que está me lendo? Já conhecia este aplicativo ou tem algum outro para indicar? Compartilhe aqui nos comentários! 😉

Grande Bjo,

Mari Marques.

5 Dicas para lidar com a Ansiedade

model-1955528_1920

Meu ultimo post foi meio que um desabafo relatando um pouco da minha experiência com a questão da ansiedade, que já é considerado o “mal da década”, sendo capaz de desencadear uma série de outros problemas psicossomáticos, podendo evoluir até para uma depressão.

Coincidentemente, após escrever o texto, eu estava navegando pelo meu Flipboard (aplicativo de notícias que gosto de usar), e me deparei com um artigo da Revista Times falando sobre “Cinco Dicas para lidar com a Ansiedade em 10 minutos ou menos” (“5 Tips To Deal With Anxiety In 10 Minutes Or Less”).

Como o artigo foi escrito com base nas sugestões de alguns pesquisadores da Universidade de Waterloo (Ontario, Canada), achei interessante compartilhar essas dicas por aqui.

Meditação de Atenção Plena

A primeira sugestão dada pelos pesquisadores é adotar a prática da meditação consciente (atenção plena) por apenas 10 minutos diários, o que seria suficiente para reduzir os pensamentos repetitivos e impedir que a mente fique “divagando”, como ocorre com pessoas ansiosas.

Megran Xu, uma das pesquisadoras e candidata ao PhD de Waterloo, disse o seguinte: “Nós também descobrimos que a prática da meditação parece ajudar as pessoas ansiosas a deslocar a atenção de suas próprias preocupações internas para o momento presente no mundo externo, o que permite que tenham maior foco nas tarefas que tiverem em suas mãos”

Pesquisas prévias também confirmam essa descoberta. Oito semanas de meditação podem mudar significativamente a resposta ao estresse em pessoas com ansiedade através de níveis de estresse e marcadores inflamatórios. A meditação de atenção plena é relativamente barata e considerada um tratamento de baixo estigma que melhora a resiliência ao estresse. Embora o estresse possa estar na raiz da ansiedade severa, a meditação pode abrandar e tratar essa ansiedade.

 

Mascar um Chiclete

Mascar um chiclete pode ajudar a reduzir a ansiedade e os níveis de estresse quase que imediatamente, mas com efeitos a longo prazo. Por exemplo, um estudo de 2011 descobriu que as pessoas que mascavam chiclete duas vezes ao dia, durante 14 dias, eram mais propensas a avaliar sua ansiedade como sendo significativamente menor. Além disso, outros pesquisadores descobriram que mascar chiclete enquanto se completam tarefas relacionadas à memória levam a um tempo de reação mais rápido e aumenta o foco. Pessoas ansiosas lutam com pensamentos repetitivos, mas a goma de mascar pode atuar como um amortecedor para esses comportamentos.

Beber Chá

Beber chá de ervas, mais especificamente o chá de kava (Kava-kava; Cava-cava ou Kawa-kawa), tem demonstrado que afeta a química do cérebro da mesma forma que drogas anti-ansiedade. O chá, derivado da raiz kava, tem sido usado para ajudar pessoas ansiosas a relaxar e libertar seus medos. Um estudo de 2013 revelou que poderia ser tão eficaz quanto os tratamentos de drogas atuais, sem o risco de dependência e uma menor probabilidade de efeitos colaterais.

Nota da Blogueira: Eu traduzi exatamente o que estava escrito no artigo da Times, mas confesso que nunca tinha ouvido falar desse tal chá de kava, então fiz uma breve pesquisa para saber melhor do que se tratava. Realmente existem estudos que apontam a eficácia desse chá no tratamento da ansiedade, o que de fato deve ser melhor do que usar uma medicação tarja preta. Mas tome muito cuidado! O uso sem supervisão médica não é indicado, porque pode trazer efeitos colaterais para o fígado se for administrado em uma quantidade diária superior à recomendada. Além disso, esse tipo de chá é contraindicado “para grávidas, lactantes e pacientes com doenças hepáticas ou que se encontram a fazer tratamento com antidepressivos”. Então, apesar de o chá ser natural, deve ser tratado como medicação. Jamais se automedique, isso pode acabar provocando um problema pior do que o inicial. Se não tiver como consultar um médico sobre isso, melhor ficar com o bom e velho chazinho de camomila. 😉

Assistir a um vídeo viral

Rir é uma ótima maneira de relaxar e deixar ir embora qualquer pensamento ansioso que esteja na cabeça. Um estudo realizado em 2006 constatou que “ataques de riso” levam a um aumento no fluxo sanguíneo, aumentado também a imunidade. Os hormônios de estresse se entrelaçam com a ansiedade, mas a risada continua a diminuir a ansiedade ao longo do tempo através da dopamina.

Ouvir Música

A musicoterapia é conhecida como uma forma popular de relaxar e fugir do mundo através de fones de ouvido. Um estudo realizado em 2016 descobriu que ouvir a música “Weightless” levou a uma redução de 65% na ansiedade e uma redução de 35% nas taxas de repouso fisiológico habituais em participantes que tentaram resolver enigmas difíceis o mais rápido possível enquanto conectados aos sensores. A música, criada pelo grupo Marconi Union, fez isso em colaboração com os terapeutas para ajudar a diminuir a freqüência cardíaca do ouvinte, reduzir a pressão arterial e abaixar os níveis do hormônio do estresse cortisol.

Para ouvir a música é só clicar no link a seguir: Weightless – Marconi Union

 

Tentei traduzir as dicas o melhor que eu pude, e acredito que me mantive fiel ao texto original, mas sugestões são sempre bem vindas… se quiser acrescentar algo, sinta-se a vontade para fazer isso nos comentários. 😉
Quanto a minha opinião, o que mais me interessou nessa lista foi a ideia de inserir a prática da meditação na rotina diária. Já faz um tempo que quero tentar isso, mas acabo sempre adiando. O fato é que realmente existem muitos benefícios para a saúde física e mental ao tornar essa prática contínua. Se algum dia eu conseguir tornar isso um hábito, prometo registrar aqui o processo… rs

 

Grande Bjo,

Mari Marques.

 

Source: Xu M, Purdon C, Seli P et al. Mindfulness and mind wandering: The protective effects of brief meditation in anxious individuals. Consciousness and Cognition. 2017.

Fonte: International Bussines Times. / Tradução: Livre / Imagens: Pixabay