Sobre Virar Dona

Virando Dona

Quando escolhi o título do blog queria que ele fosse capaz de sintetizar o momento pelo qual eu estava (e acho que sempre vou estar) passando. E demorei um pouco para me decidir… porque, embora meu principais desafios girassem em torno do universo doméstico naquele momento, não se tratava apenas disso!

Como todo ser humano, ao longo do tempo vamos acumulando algumas questões internas. Entrar oficialmente na “vida adulta”, tendo de cuidar da minha própria casa e administrar um relacionamento, só fez com que eu tivesse de encarar cada uma dessas questões mais seriamente. E ou eu lidava com elas, ou seria absorvida pelas mesmas!

Antes que vocês pensem que eu estava naufragando em um mar de problemas graves, tenho de esclarecer que não. Acontece que quando deixamos para lá muitas e muitas coisinhas pequenas, elas se juntam e tornam-se grandes, podendo sim virar um problema. São os sonhos que foram adiados, a insatisfação na carreira, a emocionalidade exagerada, as expectativas e frustrações quando as coisas não saíam do jeito imaginado, o lidar com o outro que é diferente, etc, etc.

Então, apesar de o meu estopim para querer tomar atitudes de mudança ter sido a “falta de habilidade” que eu jurava ter para administrar uma casa, a questão nunca foi sobre como ser uma dona de casa melhor, mas como ser melhor no que me proponho a fazer, inclusive no que se refere ao “ser” propriamente dito.

Pode ter sido a “crise dos 30” também! Comecei a reparar que, nos últimos tempos, minha principal justificativa para qualquer coisa estava sendo o “eu sou assim”, mas tinha me esquecido que o “ser” é uma escolha, e eu definitivamente não quero ser o tipo de pessoa que se prende a conceitos fechados só porque já passei muito tempo acreditando neles. Se existem outras formas de se desenvolver, realizar e crescer, e eu não estiver feliz com o jeito como estou conduzindo alguma área da minha vida, posso e devo tomar atitudes de mudança. É difícil, vai doer em alguns momentos, mas é extremamente recompensador!

E é isso que significa o “Virar Dona” para mim. Ninguém nessa vida é perfeito…. e também não tenho a pretensão de ser… mas posso agir de forma que daqui há alguns anos eu me orgulhe por ao menos ter tentado ser a melhor versão de mim.

Não falo daqueles aspectos que não podem ser mudados, até porque aceitar a si mesmo é imprescindível para ser uma pessoa mais confiante, a grande questão é aprender a usar nossas características da melhor forma possível. Só porque não se encaixa em um padrão não quer dizer que é um defeito, mas podemos encontrar um jeito de usarmos até nossos pontos fracos positivamente. Como isso será feito, cabe a cada um investir tempo em se autoconhecer.

Termino o texto com a frase de Saramago, que deixa um belo conselho a ser levado em conta nesse processo de “virar dona” de si mesma: “É necessário sair da ilha para ver a ilha. Não nos vemos se não saímos de nós.”

Bjs,

Mari Marques.

 

Anúncios

Um comentário sobre “Sobre Virar Dona

  1. […] da vida. Nos posts “Transformando o interior, para consertar o que está por fora” e “Sobre Virar Dona” eu explico bem as […]

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s