Bette Nesmith Graham #HistóriasQueInspiram

Histórias que Inspiram

Você conhece ou já ouviu falar de Bette Nesmith Graham?

Talvez não… mas tenho certeza que alguma vez na vida já precisou usar um liquid paper, não é mesmo?

Pois é… então fique sabendo que Bette Graham é a responsável pela existência dessa fabulosa “tintinha” mágica, que permite com que hoje nos demos ao luxo de errar.

083bbacdb756d1fbf76c1ba566ce1b74

Foi ela quem teve a brilhante ideia de cobrir os erros de datilografia com um líquido branco a base de água, desenvolvido a partir de uma fórmula caseira.

Bom…. eu gosto muito de histórias de superação, sobre pessoas que não desistem tão fácil. Acho que saber dessas histórias é uma ótima forma de nos inspirarmos quando passamos por desafios pessoais.

E o que me chamou atenção para Bette Nesmith, é que lá na década de 50 ela era uma secretária executiva (alto cargo para uma mulher na época), que além de trabalhar fora ainda tinha de criar o filho sozinha. Imagine os desafios que ela devia ter de enfrentar!

Bette estava encontrando problemas ao usar os novos modelos de máquinas de escrever, que por serem elétricas, eram bem mais rápidas, o que aumentava o número de erros na digitação, fazendo com que ela tivesse de digitar tudo novamente.

Mas enquanto isso, a fim de fazer um dinheiro extra, Bette (que também tinha uma veia artística) começou a usar seu talento para pintar janelas nos feriados, e teve um vislumbre: “um artista nunca corrige seu erro apagando, mas sempre pinta por cima do erro”. E foi aí que surgiu a brilhante ideia de também cobrir os erros de datilografia, ao invés de refazer todo o trabalho.

Assim, ela começou a produção do liquid paper (que na época era chamado de mistake out) em um laboratório improvisado dentro de sua própria cozinha.

Alguns chefes a desencorajaram de usar a fórmula, mas seus colegas de trabalho sempre pediam um pouco do “liquidozinho mágico”. E Bette foi testando a fórmula secretamente durante 5 anos, desenvolvendo melhorias com a ajuda do professor de química do seu filho.

O sucesso foi tanto, que em 1979, o Liquid Paper foi vendido para a Gillette Corporation por 47,5 milhões de dólares, e até hoje faz sucesso.

Taí uma história com todos os elementos de superação que inspiram a gente. Imagine se ela tivesse ouvido seus chefes, e desistido da ideia! Ou se deixasse que a realidade difícil a desanimasse de tentar coisas novas, já que tinha de se virar nos trinta para criar o filho sozinha!

Enfim… vale sempre lembrar que todos nós temos alguma batalha para enfrentar, mas se ela será usada como desculpa ou como impulso para voar mais alto só vai depender de você! 😉

Beijos.

Mari Marques.

 

Imagem: Google

Fonte: Wikipedia Canada, Famous Women Inventors, Liquid Paper Site, ThoughtCo. Lifelong Learning

Anúncios

Hoje venci a preguiça!

Comemore as pequenas conquistas

É uma segunda feira enquanto escrevo esse post (ironicamente), meio que como uma forma de incentivo, meio que como um jeito de compartilhar minha pequena conquista!

Quem leu meu último post sobre “A crença na mudança” já sabe sobre meu pequeno probleminha em postergar para as segundas feiras seguintes aquilo que acredito internamente não poder fazer hoje (seja por falta de organização, por achar que não vai dar mais tempo ou por preguiça mesmo, o que é bem comum). Aliás, problema que não é exclusividade minha… a gente tende mesmo a associar o início de uma nova semana como a oportunidade de um recomeço…. Nada de errado com isso, se não fosse apenas mais uma desculpa para adiarmos eternamente o que poderíamos fazer agora.

Tentando analisar os meus porquês para ter entrado nesse círculo vicioso de adiamentos, percebo que na maioria das vezes não existe uma razão justa para não cumprir meus prazos pessoais e acabar embarcando nessa crença de que “amanhã farei diferente”. Percebo que quase sempre o problema gira em torno da velha conhecida preguiça. E só não digo sempre, porque é claro que vez ou outra existem exceções.

Pensando nisso, percebo que todas as desculpas inteligentemente pensadas e internalizadas, são apenas tentativas de tornar a preguiça legítima. Não poucas vezes me peguei justificando um adiamento por já ter “passado do horário razoável de começar hoje”, ou por “não ter os recursos necessários para começar”, ou por “não querer ir em algum lugar sozinha”, ou “por querer que seja perfeito”, e muitas outras justificativas que nem sei mais.

Bom… se o horário já está avançado, eu posso pelo menos começar com o que dá para fazer hoje, mas morgar no sofá assistindo TV no final da noite é mais convidativo…. se eu não tenho os recursos necessários, posso criá-los e ir começando com o que tenho, mas é mais fácil dizer que não dá…. se não tenho quem me acompanhe, qual o problema de ir sozinha? O desafio é meu! Eu é que tenho de encará-lo! Nesse caso, companhia as vezes até atrapalha… E se não for perfeito, e daí? Quem disse que precisa ser?

Tá vendo? Para todas as desculpas que nossa mente pode criar existe uma solução possível, mas optamos não ver, muitas vezes por pura preguiça. É claro que existem outros fatores que fazem ninho na nossa mente e nos impedem de ir adiante, mas hoje, foi contra esse que eu lutei: a preguiça! E digo que foi bom, por mais pequena que seja a conquista.

Nenhum prazer momentâneo pode superar a alegria de realizar algo que você estabelece como meta para você. Então sempre que a preguiça vier e as desculpas começarem a aparecer, o melhor que podemos fazer é vencer esse sentimento e ir à luta! 🙂

Ah… sobre minha pequena conquista… hoje venci a preguiça, porque fui me exercitar mesmo quando o horário pré-estipulado já tinha passado. Sem querer me peguei pensando automaticamente que “hoje não daria mais tempo e seria melhor começas amanhã”. O problema é que esse amanhã nunca chega, e eu já estou nessa faz mais de um ano, insatisfeita com o espelho e reclamando dos quilos a mais que não vão embora sozinhos… mas isso é tema para outro post.

O que quero registrar aqui é o prazer que dá vencer suas desculpas e mandar a preguiça para escanteio. A conquista pode ter sido pequenininha mas estou feliz em dizer que finalmente meu amanhã eu fiz hoje! 🙂

Continuemos…

Beijos.

Mari Marques.

A crença na mudança

O aamnhã se faz agora

Olá!

Estou meio sumida aqui do blog, mas resolvi passar aqui para falar um pouco sobre um assunto que tem me feito refletir muito ultimamente.

Sim…. ainda é sobre a temática das “mudanças pessoais”, a grande questão que me motivou a criar esse blog, mas hoje o que quero falar é sobre um aspecto a ser considerado e não apenas mais uma forma de exercer mudança.

Há algumas semanas atrás assisti a um vídeo onde o Pedro Calabrez (que até então eu não sabia quem era, mas gostei de conhecer) dava uma palestra exatamente sobre “Por que é tão difícil mudar?”.  Cheguei a postar o vídeo em minha página no facebook, mas também vou deixar o link aqui embaixo para quem se interessar! 😉

No vídeo ele fala que na maioria das vezes o que nos impede de mudar, e isso em qualquer área de nossas vidas, é justamente a crença nessa mudança. Nunca tinha parado para pensar dessa forma… mas como é verdade! Eu mesma já perdi as contas de quantas vezes depositei tanta esperança nos planos de uma mudança futura que acabei não saindo do lugar. Isso porque, se a única certeza que temos nessa vida é o presente, então o tempo para exercer qualquer mudança tem que ser o hoje… não tem jeito!

Um exemplo pessoal muito claro para mim, é minha atual expectativa em levar uma vida mais saudável, com exercícios e alimentação balanceada… Sempre digo que segunda feira vou começar uma rotina mais saudável (e refletindo aqui, eu sempre acredito nisso… rs), mas o problema é que essa “segunda” nunca chega. Se por algum motivo, naquele dia pré-estabelecido por mim a mudança não aconteceu, ela automaticamente é transferida para a segunda feira seguinte… E tem sido assim faz um tempo… Então, por mais que seja um desejo genuíno, ele mais atrapalha do que ajuda, porque não passa de uma crença.

É exatamente assim como o Pedro Calabrez exemplifica… O que me faz ter a certeza de que não devo ser a única que vive nesse dilema… E como é frustrante, não é mesmo?! :/

Sempre li e ouvi falar sobre as crenças limitantes, que são os pensamentos negativos que temos sobre nós mesmos e que nos travam de forma inconsciente… Mas, se analisarmos bem, a crença em uma mudança que nunca chega, também nos limita de forma assustadoramente poderosa, porque nos impede de realizar no hoje… Pior do que isso, esse tipo de crença torna legítima a nossa acomodação…. Isso porque, tudo bem eu estar como estou hoje, mesmo que insatisfeita, porque tenho a certeza de que amanhã não será assim…. O problema é que será…. E será ainda pior, já que só colheremos no amanhã aquilo que plantarmos no hoje.

Bom… se você leu até aqui, é porque de alguma forma se identificou com esse texto… Então, proponho o seguinte desafio:

  • Tire uns minutinhos para refletir sobre quais aspectos da sua vida estão te incomodando ultimamente. Pode ser um hábito que você quer perder ou modificar, algo que você deseja fazer há muito tempo mas fica adiando, ou até mesmo algum posicionamento que você sabe que já devia ter tomado…. Sei lá…. pode ser qualquer coisa…. Feito isso, não perca tempo! É hoje que você vai fazer o que precisa ser feito! Não adie mais…. não pode ser amanhã… tem que ser hoje! Mas não se desespere…. algumas coisas até podem ser resolvidas em apenas um dia, muitas outras levam tempo…. Seja qual for a mudança que você precise realizar, o desafio é começar hoje!
  • Me conte aqui se conseguiu! 🙂

Boa sorte com seus desafios (pode ser mais do que um… para mim é)! Lembre-se sempre que é hoje que escrevemos o nosso amanhã… Tenha carinho com sua própria história! A maioria das pessoas só vai acreditar que algo é possível depois que já está realizado, então não se deixe travar pelas possíveis críticas, ao invés disso, seja você quem vai mostrar a todos como se faz! 😉

Grande Beijo,

Mari Marques.

 

Link para o vídeo da palestra: Pedro Calabrez – Por que é tão difícil mudar? (Território Conhecimento)